Samstag, Januar 27, 2001

QUERIDA MÚMIA
Maria Elena e Frederico estavam nas pirâmides do Egito quando Frederico perguntou:
- Onde está a câmera?
- Frederico, ela estava com você ontem!
- Pegue-a agora, sua múmia!
- Tenha mais respeito, já disse que ela não está comigo!
- Como posso te respeitar se essa câmera custou milhões?
- Basta ter um pouco mais de paciência que nós a encontraremos...
- E o que sugere que façamos?
- Vamos voltar ao hotel para ver se a deixamos lá.
Nesse momento, Maria Elena sucumbiu caindo morta na frente de um sarcófago.
Imediatamente uma múmia se aproximou de Maria Elena para possuir sua alma e Frederico despercebido agarrou sua mão.
- O que há de errado com você? Maria Elena, responda!
Ao olhar para trás, deparou-se com a múmia e despertou dizendo:
- Ufa! isso era apenas um sonho!
Frederico virou-se para abraçar Maria Elena e percebeu que ela era uma múmia e que ele nunca havia percebido.
- Meu Deus, o amor realmente é cego!
E Frederico cai.

Rafael Nobre, Agnes Marti, Claudia Sciré, Daniela Granato (2000)

Mittwoch, Januar 24, 2001

DE NADA ADIANTOU...
Era uma vez uma rica mulher chamada Marie Inesy, esposa de um rico industrial. Ela tivera um passado muito triste, pois em sua infância trabalhou como pedicure em uma favela, submetendo-se a mal-tratos, estupros, além de ter um seio a menos, pois um cachorro o arrancou. Por isso era complexada e escondia seu passado sob uma cortina cinza de orgulho. Mal sabia que seu modo de falar denunciava seu medíocre passado. Um dia, conversando com seu marido:
- Você sabe que eu te amo e que a gente estamos vivendo muito feliz juntos, mas eu gostaria de estar te pedindo um favor...
- O quê, meu cajuzinho?
- A nível de seios, eu queria estar vendo um doutor.
- Para quê, se és tão bonita monoteta?
- Ah, você sabe que a população é supermal, principalmente porque os seios está na moda.
- Você sabe que eu não ligo, vamos parar com esse assunto!
Marie, triste, resolve mesmo assim ir ao médico:
- Senhor doutor, quero ficar mais bonita refazendo meu seio!
- Você sabe que isso não é possível, pois você não tem pele suficiente, nós teríamos que fazer em enxerto utilizando o tecido de sua nádega...
- Tá bom, aceito!
Depois de alguns dias...
- Meu cajuzinho, o que houve?
- Ah, cê reparô no meu seio?
- Não... reparei na nádega que está faltando em você!

Rafael Nobre, Agnes Marti, Claudia Scire, Daniela Granato (2000)